Sarau do dia 24 julho com a presença de Emerson Alcalde com livro (A) MASSA

sexta-feira, 30 de setembro de 2011

ATO DOMINGO 02/10 AS 15 H: CARANDIRU, 20 ANOS. NUNCA MAIS?

02 de outubro de 1992:uma pequena desavença entre presidiários do pavilhão 9 da Casa de Detenção do Carandiru se transforma em uma rebelião desprovida de viés reivindicativo ou de fuga. Apesar disso,o Governo estadual da época determinou a invasão da Casa de Detenção por centenas de policiais militares que exterminaram a sangue frio 111 pessoas desarmadas e desesperadas. Foi a maior chacina da história do sistema penitenciário brasileiro.
Passadas quase duas décadas dessa “página infeliz de nossa história”,os tijolos da Casa de Detenção foram deitados ao chão e,no seu lugar,foi erigido o sugestivo Parque da Juventude. Todavia,a construção de um parque para a juventude no lugar de uma unidade de aprisionamento da juventude não significou,infelizmente,qualquer mudança na política criminal do Estado:após todos esses anos,ninguém foi responsabilizado pelos 111 assassinatos!
Pior:ainda hoje,divisamos jovens,em regra pobres e negros,sendo perseguidos pelo aparato repressor estatal. Quando conseguem driblar a morte,caem na vala imunda e cada vez mais superlotada do sistema carcerário (de 1992 para cá,a população prisional cresceu mais de 400% contra pouco mais de 27% de crescimento da população brasileira).
Diante desse quadro desafiador,diversos movimentos e entidades da sociedade civil organizada planejam uma grande articulação em torno do vintenário do massacre do Carandiru,a ser iniciada com a realização de um ato no próximo dia 02.10.2011. Daí até a data dos 20 anos do massacre (02.10.2012),essa articulação pretende pautar diversas ações para promover a responsabilização do Poder Público e também para trazer ao debate público o tema da segurança pública e da cidadania.
Convidamos todas e todos ao ato que ocorrerá no dia02.10.2011,às 15hs,no Parque da Juventude.
Nos próximos dias 19 e 26.09,às 19hs,nos reuniremos para acertar os últimos detalhes do ato. A quem interessar,as reuniões ocorrerão no Sindicato dos Advogados de São Paulo 
(Rua da Abolição,n.º 167,2º andar,Bela Vista).
Assinam:
ACAT-BRASIL
AMPARAR
ASSOCIAÇÃO JUÍZES PARA A DEMOCRACIA (AJD)
ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE DEFENSORES PÚBLICOS FEDERAIS (ANADEF)
ASSOCIAÇÃO PAULISTA DE DEFENSORES PÚBLICOS (APADEP)
CENTRO ACADÊMICO XI DE AGOSTO
CÍRCULO PALMARINO
COLETIVO 2 DE OUTUBRO
COLETIVO CINE BIJOU – CINEMA E MEMÓRIA
COLETIVO VÍDEO POPULAR
COMISSÃO DE JUSTIÇA E PAZ
COMISSÃO TEOTÔNIO VILELA
CONSELHO ESTADUAL DE DEFESA DOS DIREITOS DA PESSOA HUMANA (CONDEPE)
DEFENSORIA PÚBLICA DA UNIÃO EM SÃO PAULO
ESPÍRITO DE ZUMBI
ESTUDO,COMIDA E CIDADANIA (ECC)
FÓRUM DE HIP-HOP
GELEDÉS
GEPEX –SEGURANÇA PÚBLICA,JUSTIÇA CRIMINAL E DIREITOS HUMANOS DA UNIFESP/BS
GRUPO CULTURAL MARACATU BOIGY
IDENTIDADE –GRUPO DE LUTA PELA DIVERSIDADE SEXUAL
INSTITUTO PRÁXIS DE DIREITOS HUMANOS (IPDH)
INSTITUTO TERRA,TRABALHO E CIDADANIA (ITTC)
INSTITUTO UMOJÁ
JUSTIÇA GLOBAL
LUTA POPULAR
MÃES DE MAIO
MARGINALIARIA
MOVIMENTO NACIONAL DA POPULAÇÃO DE RUA
MOVIMENTO NACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS,
MOVIMENTO NEGRO UNIFICADO
NÚCLEO DA SITUAÇÃO 
CARCERÁRIA DA DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE SÃO PAULO
NÚCLEO ESPECIALIZADO DE CIDADANIA E DIREITOS HUMANOS DA DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE SÃO PAULO
OS CRESPOS
PÂNICO BRUTAL
PASTORAL CARCERÁRIA
PASTORAL DA JUVENTUDE
QI ALFORRIA
QUILOMBAQUE PERUS
REDE EXTREMO SUL
SARAU DA ADEMAR
SARAU DA BRASA
SARAU ELO DA CORRENTE
SARAU PERIFATIVIDADE
SARAU VILA FUNDÃO
SINDICATO DOS ADVOGADOS DO ESTADO DE SÃO PAULO
TRIBUNAL POPULAR
UNEAFRO-BRASIL
VERSÃO POPULAR

PROGRAMAÇÃO DO ATO DE DOMINGO (02/10/2011):


15hs - Ato Inter-religioso

Pe. Valdir (Pastoral Carcerária) convida todas as crenças

16h15m - Falas

- Davi (sobrevivente)

- Dexter

- Procurador Antônio Visconti

- Eduardo Suplicy

- Alípio Freire

- Renato Simões

- Dráuzio Varela

- Sr. Valdemar

- Débora (Mães de Maio)
OBS: as falas serão intercaladas por intervenções poéticas

17h45m - Atividades Culturais

- Teatro do Oprimido, Shows com Grupos de RAP e de Música Popular (QI Alforria, Versão Popular, B. Valente, Espírito de Zumbi), Intervenções Poéticas com Saraus da Periferia de São Paulo.

quarta-feira, 28 de setembro de 2011

Quem leu, leu. Quem não leu. Leia. Vale a pena.


VOCÊ SABE O VALOR DA LEITURA?

Quando então aprendi a ler, o mundo se abriu de uma vez. E era pequeno demais para mimPor Dinha [*]

Quem de nós sabe o valor da leitura? Posso dizer que sei. Ainda pequena, vivi as histórias de lobo e fantasma, de riso e de solidão, através das incansáveis narrativas de meu irmão, apenas dois anos mais velho que eu. Foi no espanto dessas histórias que eu, pela primeira vez, conheci o gosto de aventura em lugares distantes, com pessoas longínquas, em situações inusitadas, vampiro sonhando manhãs de sol.
Eu lia sem ler, ouvindo apenas - e vendo em meu irmão o brilho de entusiasmo e a satisfação em contar histórias, que só os grandes contadores de história têm. Quando, aos sete anos, entrei na escola, e as letrinhas juntaram-se em palavras e em sílabas - para mim, algumas delas nunca foram sílabas, foram sempre cachorros latindo, amigos se cumprimentando, reis ascendendo aos tronos, sapos, macacos e sherazades, explosões de significados, amor descoberto aos poucos.
Quando então aprendi a ler, o mundo se abriu de uma vez. E era pequeno demais para mim: o córrego [riacho] sujo, o barraco apertado e suspenso, para driblar as enchentes, a comida contada. Iniciada a leitura, apenas o amor da mãe prosseguiu (tão imenso quanto as esperanças que ela depositou em mim). Todo o resto perdeu a cor, dissipou-se, precisou ser reescrito.
Empodeirada de leitura, ganhei o mundo, estudei na melhor universidade do país, tornei-me poeta e professora. E se o mundo não me ganhou, foi porque desenvolvi meu senso crítico, fortaleci meu senso de proteção e encontrei alguém que me ajuda a ressignificar o mundo, cotidianamente.
Espalha-Leitura
Eu sei o valor da leitura e sei que no Brasil ele ainda é pequeno.
parque-bristolEmbora os governos invistam minimamente em programas como o “Minha Biblioteca”, que distribui títulos, gratuitamente, a alunos da rede municipal, ou o “Uma biblioteca em cada município”, do governo federal, o acesso aos livros em nosso país, especialmente nas periferias das grandes cidades, permanece escasso. No Parque Bristol, zona Sul de São Paulo, por exemplo, a biblioteca pública mais próxima fica a R$2,70 de distância, 30 minutos de ônibus, ou uma hora e meia a pé. E pode custar o dobro, se o leitor desejar voltar para casa após o passeio. Na Cidade Tiradentes, uma imensa área residencial, com alto índice de vulnerabilidade social, na Zona Leste de São Paulo, há apenas uma biblioteca e ela é comunitária - só existe enquanto o Núcleo Força Ativa, um grupo organizado da região, puder mantê-la. Como no Parque Bristol, que também tem sua biblioteca comunitária, o acesso a esse bem cultural depende não da ação obrigatória do governo, mas da boa vontade e da insistência política de cidadãs e cidadãos comuns.
Gente comum, esforços incomuns
forcaativaUm amplo coletivo começou a ser formado em 2006, durante um encontro sobre bibliotecas comunitárias, no Itaú Cultural. Lá estavam eu, duas professoras universitárias - uma das quais era, na época, doutoranda pela Universidade de São Paulo e cuja tese abordava o tema das bibliotecas comunitárias, enquanto prática social no Brasil -, o Núcleo Cultural Força Ativa e outras organizações sociais envolvidas com o tema. A minha função, na ocasião, era apresentar a Livro-pra-que-te-quero (nossa biblioteca, gerida pelo Poder e Revolução, o “arquipélago urbano”) e as nossas estratégias de “espalha-leitura”.
Tempos depois, uma das professoras nos procurou para conhecer melhor a nossa experiência e certificar-se de que ela se encaixava em seu estudo acerca das bibliotecas comunitárias.
Aparentemente, ela gostou tanto do que viu, ali e em outros tantos espaços pelo país afora, que entendeu ser importante a realização de um encontro nacional de bibliotecas comunitárias, enquanto estratégia de fortalecimento destas iniciativas, de modo a aumentar sua visibilidade e promover trocas capazes de aumentar o acesso aos livros no país e contribuir para a formação de leitores. A seu convite, foi formado, então, um coletivo com vistas ao planejamento e execução deste encontro.
Primeiro Encontro Nacional de Bibliotecas Comunitárias
De 2009 até agora, muitos esforços foram demandados, por parte de todos, para que um encontro entre as bibliotecas comunitárias do país fosse realizado: foram feitas muitas reuniões de planejamento, viagens com gastos do próprio bolso, articulações comunitárias, um projeto foi escrito, um plano de trabalho desenhado, uma rede virtual foi criada e segue funcionando no endereço eletrônico http://www.rbbconexoes.ning.com.br. Além disso, foram feitos vários contatos com possíveis parceiros e patrocinadores da idéia. Muitos domingos de sol foram adiados, em nome desta possibilidade.
scannedimage-8Entretanto, apesar da organização popular em torno da construção deste encontro, apesar de este ter sido um sonho sonhado junto, a realidade esbarrou no preço, na pouca importância que a leitura, estrategicamente, parece ter neste país, e o evento ainda não aconteceu.
Para que ele ocorra, esta luta precisa prosseguir. Por isso, convidamos a tod@s a que engrossem as fileiras em torno da batalha, ora travada, para que os livros, enquanto direito, como bens culturais que são, estejam acessíveis a todos e a todas e para que este encontro, enquanto estratégia de reforço nesta batalha, possa efetivamente acontecer.
Você, sabe o valor da leitura?


[*] Dinha é membro do Núcleo Poder e Revolução, professora da rede pública municipal da cidade de São Paulo, mestranda em Estudo Comparados de Literatura de Língua Portuguesa (FFLCH/USP) e autora do livro De passagem mas não a passeio (Global Editora, 2008)


FONTE:
http://rbbconexoes.ning.com/forum/topics/voce-sabe-o-valor-da-leitura

terça-feira, 27 de setembro de 2011

Sarau Autoria Jovem

No Sarau Autoria Jovem,
os Coletivos Marginaliaria, Mesquiteiros, Abayomi e Perifatividade 

irão se encontrar pra produzirem arte periférica juntos!

Das 20hs às 23hs.
CDC Tide Setubal
Rua Mario Dallari, 170 São Miguel Paulista
São Paulo (São Paulo, Brazil)

domingo, 25 de setembro de 2011

Lançamento da MOEDA SOLANO TRINDADE. No Sacolão das Artes...

Retire seus Solanos
Binho e sua sobrinha
Claudin
Fernando 

Cocão (Versão Popular) e Zamba Rap Clube
DJ Digão, Nego Willian e Tribo Zulu
Luan Luando Manda Busca
Paulo Rams & Cocão
Wesley Nóog

Camisetas do Coletivo Perifatividade
podem ser adquiridas com Solanos na Loja Colaborativa  É D' MARCA
Liberto Solano
Paulo Rams (Sarau Perifatividade), Fernando (Sarau Vila Fundão) e Binho (Sarau do Binho)

Sérgio Vaz (Sarau da Cooperifa), Fernando e Paulo Rams
OLHA A MOEDA CULTURAL AÍ...
OkMestre!
 Acessem:  http://agenciasolanotrindade.wordpress.com/

quinta-feira, 22 de setembro de 2011

Agência Popular Solano Trindade.



É FORTALECER pra sermos FORTALECIDOS. SEM ORGANIZAÇÃO e UNIÃO. NOSSAS AÇÕES NÃO TEM SENTINDO. VAI UM SOLANO AÍ...? Tamu junto, é as periferias se unindo.

terça-feira, 20 de setembro de 2011

MOBILIZAÇÃO - FAVELAS em AÇÃO!






Hoje foi um dia importante de LUTA, contra a política de despejos e remoções implantado pela Prefeitura e Governo do Estado. Moradores de muitas comunidades espalhadas por São Paulo se reuniram em frente ao Pátio do Colégio e de lá saíram em caminhada pelo centro da cidade parando em alguns organismos públicos para documentar carta de repúdio e protestar contra ações deliberadas e sistemáticas de limpeza social e remoção de milhares de pessoas dos seus lares. Representantes de algumas comunidades denunciaram que a ação dos agentes públicos se dá de forma truculenta, inclusive contando com apoio de "jagunços" para intimidar e expulsar as famílias de seus lares. Sem qualquer proposta habitacional para atender as famílias removidas, a prefeitura apenas sinaliza com o "cheque despejo". Entretanto o movimento está organizado para enfrentar essa política fascista de remoções. Força e resistência para as comunidades ameaçadas.


domingo, 18 de setembro de 2011

Sarau PERIFATIVIDADE 18º Edição

Sábado dia 17 de Setembro, foi um dia memorável para o Coletivo Perifatividade. Com o lançamento de três livros ao mesmo tempo do autor Walner Danziger, que nos deu a honra de divulgar seu trampo aqui na periferia do Fundão do Ipiranga. Dentre tantos amigos que vieram de longe, contamos com a presença de Chelmi (Sarau da Brasa) que nos trouxe várias munições como documentários, cd's de samba, vídeos e filmes, só com a nata de nossa cultura. Da Brasilândia também tivemos a presença do Leko, de São Bernardo do Campo, Cena7 nos trouxe seu livreto, POVO (Pessoas Organizadas Vencem a Opressão), um movimento cultural militante, semelhante ao nosso lá do ABC. Nosso amigo Wanderson, filho de nada mais nada menos que Sabotage, que infelizmente não está mais entre nós, também fez manifestar o saudoso mestre do Canão em nosso Sarau. Tun Araújo também envolvido com o movimento vem integrando nosso time que só aumenta, não em quantidade, mas em qualidade. UM SALVE A TODOS que chegaram... ESSE É O SARAU PERIFATIVIDADE.

Vinão alobrasil

Tun Araújo

Terno

Wanderson Sabotinha, Vinão alobrasil, Dimenor, Tun, Terno e Meg.

Wanderson Sabotinha

Paulo Rams

Nego Doido

Khadija e Osmar ART' TUDE 

ART' TUDE em AÇÃO

Solano Trindade e Adoniran observando nossa SAUDOSA MALOCA

Nain Menino

Leko

Du Bod

Dimenor, Paulo Rams e Sabotinha

Casal Lindo (Ana Fonseca e Paulo Rams)

Bboy

Bboy na percussa e Fabner na Guita.

Recordando DOIS NO BARCO (Raphael Bboy e Nain Menino)


Cezar

Chelmi direto da Brasilândia

Cena7 de São Bernardo do Campo

Terno e Diego, cantando Clã Nordestino Homenagem à Preto Góes

Dimenor


Arsenal, pode pá que não da impar... É tudo nosso só chegar .

Sabotinha CD'S ' do Sabotage, só R$10,00.
Vamos fortalecer família.

É O SARAU DO PERIFA EM ATIVIDADE
ENTÃO SEJA BEM VINDO E FIQUE MUITO A VONTADE.
18º Edição de Sarau Perifatividade.
A FAMÍLIA AGRADECE 

Follow by Email